Polícia da Paraíba tem pelo menos 70 suspeitos de participar de fraudes em concursos e vestibulares

Coletiva Operação Gabarito, em João Pessoa (Foto: Cógenes Lira/Jornal da Paraíba)Aproximadamente 70 pessoas já foram identificadas pela polícia da Paraíba como suspeitas de participação no esquema que fraudou pelo menos 70 concursos e vestibulares em vários estados brasileiros.

O número de aprovados através da venda de gabaritos passa de 500, de acordo com o levantamento da investigação até esta segunda-feira (15). Apesar dos números, a polícia identificou que não há vazamento de gabaritos por por meio de empresas organizadoras das seleções e que a atuação da quadrilha é independente.

O resultado das duas primeiras fases da Operação Gabarito foi apresentado na manhã desta segunda-feira, mas o delegado responsável pelas investigações, Lucas Sá, diz que o trabalho começou deve demorar a ser concluído. “Isso é só o começo do trabalho da polícia civil", diz.

Até a sexta-feira (13), 25 pessoas já tinham sido presas, sendo 19 no dia 7 e outras seis na sexta-feira, além de 11 veículos apreendidos.

Um dos suspeitos que ainda não foi preso é apontado como o terceiro em importância na quadrilha, sendo que os dois primeiros, que são irmãos, já foram presos. Segundo Lucas Lá, ele estava na casa onde funcionava o ‘quartel general’ da quadrilha no bairro do Altiplano no dia 7, quando teve início a operação, mas saiu do local antes dos policiais chegarem. "Mas a gente tem informação de que ele consta como aprovado em diversos concursos e aprovou também várias pessoas da família", diz. Os dois irmãos apontados como chefes da quadrilha acumulam, juntos, 29 aprovações em concursos.

Até esta segunda a polícia já identificou que o esquema contava com professores de matemática, raciocínio lógico, português, direito e informática, contratados para responder às provas e passar os gabaritos. Mas o grupo também oferecia uma assessoria jurídica aos 'clientes', que era acionada em casos de candidatos que pudessem ter problemas com desclassificações.

Fraude no Enem
Sobre a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a policia já identificou que uma aluna do curso de Medicina de uma faculdade privada de João Pessoa foi beneficiada pela fraude. Essa jovem é filha do homem apontado como a terceira cabeça da organização e, por sua colocação o Enem, conseguiu acessar o benefício do ProUni, obtendo bolsa de 100%. Segundo o delegado, as informações já foram encaminhadas para a instituição, que vai tomar as providências cabíveis.

Lucas Sá explica que estes casos envolvendo o Enem vão ser repassados para a Polícia Federal, já que se trata de uma prova promovida pelo governo federal. "A PF é que vai aprofundar esse casos, ainda não temos número de aprovados, mas pessoas com gabarito igual ao dessa estudante já identificada vão ser investigadas", explica.

Denúncias anônimas
A investigação começou há quase quatro meses a partir de uma denúncia anônima e foi se complementando com várias denúncias de candidatos que não eram aprovados e desconfiavam das fraudes. A investigação identificou, por exemplo, que guardas municipais de uma prefeitura na Paraíba tinham sido aprovados, mas mal sabia escrever e eram aproveitados em funções de construção civil.

Além disso, há situações de servidores que nunca assumiram efetivamente seus cargos. “Eles não trabalham efetivamente, são aprovados nos cargos públicos, compram atestados médicos falsos, ficam em licença médica recebendo pelo seu cargo e nunca sequer chegam a exercer esses cargos”, destaca Lucas Sá.
Ao todo, 25 pessoas foram presas. Entre elas, 19 foram presas no dia 7, todas elas passaram por audiência de custódia e suas prisões foram mantidas. Já na sexta-feira (13) outras seis pessoas foram presas, entre eles um casal de policiais militares que já teve prisão mantida. Os outros quatro, que foram apresentados durante a coletiva, ainda vão passar por audiência de custódia.

Como o esquema funcionava
As fraudes começaram em 2005, e mais de 500 pessoas já foram beneficiadas com o esquema em concursos na Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Rio Grande do Norte, Sergipe e Piauí. O valor pago pelas pessoas para o grupo já acumulava pelo menos R$ 18 milhões.
O esquema funcionava por meio de escutas e transmissões eletrônicas durante a aplicação das provas. Parte dos suspeitos ficavam na casa onde os líderes do grupo foram presos, em João Pessoa, e eram responsáveis por receber as informações das provas de outros integrantes do grupo que faziam as provas. “Eles repassavam as informações para os ‘professores’, que respondiam as questões e mandavam os gabaritos para os candidatos”, explica Lucas Sá.

Segundo o delegado, os “clientes” do grupo eram contatados principalmente em cursinhos e por meio redes sociais. “São muitas as maneiras, mas as principais são pelo Facebook, WhatsApp e indicação de pessoas de cursinhos. Vários desses professores [presos] são professores de cursinho. Então eles acabam indicando a organização para os alunos desses cursos e fazendo a proposta de ingressar no esquema fraudulento”, disse o delegado.

Fonte: G1PB
Compartilhe este artigo :
 
BLOG - JEFTE NEWS 2013
Blog Filiado a Rede Sertão-PB